Has no item to show!

Necessaire de fim de ano: veja o que levar para as viagens de Verão

 

Saiba quais produtos podem ajudar a manter a saúde capilar

No Verão, é normal todo mundo se preparar para aproveitar a estação no litoral. Mas, quando se trata de proteção solar, a pele não é a única que sofre com os danos, o cabelo também. Os raios ultravioletas danificam a estrutura da fibra capilar, deixando os fios ásperos, ressecados, sem brilho e com pontas duplas. Para proteger os fios é simples, basta utilizar cosméticos formulados para proteger as madeixas que possuam proteção solar.

No calor, a dica é apostar em produtos simples. "Por ser um produto completo com proteção solar e agentes hidratantes, o leave-in não pesa no fio e é multifuncional", explica Lidiane Cotta, distribuidora da Vitiss Cosméticos. Além do leave-in, shampoos e condicionadores que têm componentes em sua fórmula que combinam vitaminas, podem fortalecer a nutrição. "O D-pantenol é um excelente ativo para regenerar profundamente a estrutura da fibra capilar, pois devolve a flexibilidade e elasticidade natural promovendo a hidratação intensa", explica Lidiane.

Chapéu também tem seu lugar de destaque quando o assunto é proteção para o cabelo, pois o excesso de exposição ao sol causa desidratação e ressecamento. Isso porque, com o calor intenso, as cutículas dos fios se abrem permitindo que a água se perca rapidamente. "Os tingidos e de cores intensas, como os ruivos, também podem ficar desbotados já que, junto com a água, também se perde proteínas e outros nutrientes responsáveis pela força e vitalidade", sinaliza Lidiane. Por isso, quem busca cabelos bonitos e saudáveis é indispensável a utilização de produtos que possuam proteção solar para os fios.

Caso os danos já estejam presentes no cabelo, a saída é investir na queratina com extrato de romã, ideal para os cabelos tingidos. A romã age na fixação da cor, evita o desbotamento e proporciona cores vibrantes e mais duradouras.

*Via assessoria

0
0
0
s2sdefault

Natal Cultural da Vila 7

 

Bandalelê, Companhia de Dança Fátima Freitas, Cantanda Natalina, oficinas, contação de histórias e muito mais na tradicional festa natalina da Vila 7

A produtora Juliana Lins está nos preparativos finais para o aguardado Natal Cultural da Vila 7. Marcado para 15 de dezembro, a partir das 15h30 nos jardins dos Casarão da Toyolex, a festa contará com shows da Bandalelê e com apresentações especiais da Companhia de Dança Fátima Freitas. A decoração, assinada pelas irmãs Adriana e Mari Perylo da Perylampo, será inspirada na Fábrica de Brinquedos do bom velhinho.

“Além das apresentações de dança e shows musicais, o nosso Natal Cultural contará com muitas oficinas e brincadeiras. Aprender se divertindo é uma missão da Vila 7”, comenta Juliana Lins. A presença do bom velhinho está confirmadíssima. Como em edições passadas, o Papai Noel chegará em grande estilo. “Podem esperar por uma entrada inesquecível. Será uma surpresa”, adianta Juliana. Os pais também ganham atenção especial da produção que montará lounge especial para abrigar toda a família.

Febre entre as crianças, o slime também está na programação. “A Vila 7 disponibilizará seu Slime Wall, parede com tudo que a criança precisa para fazer seu slime perfeito. Para auxiliar os pequenos, promoveremos oficinas e colocaremos monitores de plantão. Outro destaque da programação é a Oficina de Construção e Pintura de Brinquedos. Nos inspiramos na Fábrica de Brinquedos do Papai Noel para incentivar as crianças a colocarem a mão na massa, abusando da criatividade”, resume Juliana.  

O Natal Cultural da Vila 7 contará, ainda, com Cantada Natalina, contação de história, espaço de Foto Lembrança, parque inflável, praça de alimentação, entre outras atrações.

Os ingressos do primeiro lote custam R$ 60 (inteira) e R$ 30 (meia) e já estão à venda na unidade da Vila 7 do Shopping Recife, dentro do Restaurante Tio Armênio, e das Graças.

 

SERVIÇO:

Natal Cultural da Vila 7

Quando: 16 de dezembro

Onde: Casarão da Toyolex (Av. Rui Barbosa 1105)

Ingressos: R$ 60 (inteira) e R$ 30 (meia) – primeiro lote 

Ponto de Venda: Vila 7 do Shopping Recife e Casarão da Toyolex.

*Via assessoria

0
0
0
s2sdefault

"Farnese de Andrade: Arqueologia Existencial” será aberta nesta quinta (13), na CAIXA Cultural Recife

 

 

Mostra apresenta um conjunto de assemblages e objetos do artista mineiro que é um dos ícones da arte brasileira

 

A CAIXA Cultural Recife apresenta, a partir do dia 13 de dezembro (quinta-feira), às 19h, a exposição “Farnese de Andrade – Arqueologia Existencial”. Com curadoria de Marcus de Lontra Costa, a mostra apresenta um conjunto de cerca de 40 obras pertencentes a coleções particulares, mapeando sua produção ao longo dos anos 1970, 1980 e 1990. A exposição tem a linguagem única e singular do artista, de forma a mostrar sua personalidade e trajetória fundida com as fases de sua obra. Com entrada franca, a mostra fica em cartaz até o dia 17 de fevereiro de 2019.

A mostra circula desde 2015 e já passou por Brasília, Curitiba, Rio de Janeiro, São Paulo e Belo Horizonte, nesta última, com versão ampliada em homenagem ao aniversário de 20 anos de morte do artista mineiro, falecido em 1996. Na CAIXA Cultural Recife são apresentadas obras, entre assemblages e objetos, além da exibição do filme "Farnese" (1970), do cineasta Olívio Tavares e Araújo, uma entrevista em vídeo com o curador e textos/poemas que ajudam a elucidar a trajetória e fundamentos criativos do artista.

Farnese de Andrade foi um artista múltiplo, cuja produção, vida e arte se enlaçam de maneira inseparável dando origem a uma obra densa, de caráter fortemente autoral. Começa sua carreira como desenhista e gravador e, a partir de 1964, cria objetos ou assemblages com cabeças e corpos de bonecas, santos de gesso e plásticos, todos corroídos pelo mar, coletados nas praias e nos aterros. Passa a comprar materiais como redomas de vidro, armários, oratórios, nichos, caixas e imagens religiosas em lojas de objetos usados, de antiguidades e depósitos de demolição. Utiliza com frequência velhos retratos de família e postais, e começa a realizar trabalhos com resina de poliéster, sendo considerado um pioneiro da técnica no Brasil.

Apontado como dono de uma personalidade difícil e de um trabalho marcadamente autobiográfico, Farnese revelou nas obras sua densa trajetória pelas memórias de infância, do pai, da mãe, dos irmãos, da sagrada família mineira e de sua fase oceânica, além de um certo aspecto libertário e transgressor, a partir de sua mudança para o Rio de Janeiro. Enclausurado na própria solidão, expressou principalmente o embate dos seus medos, dores, tristezas, rancores, fetiches, libidos, euforias e alguma alegria. A poética de Farnese de Andrade, pautada no inconsciente, contrasta com as de outras tendências do período, como as da arte construtiva e concreta.

Praticamente esquecido nas últimas décadas, Farnese foi regularmente premiado de 1962 a 1970, como no Salão Nacional de Arte Moderna de 1970 - Prêmio de viagem ao exterior, e mais recentemente em 1993 - Prêmio Roquette Pinto de Os Melhores de 1992, pela exposição “Objetos”. Farnese é um dos mais valorizados artistas brasileiros e tem obras nas maiores coleções particulares e museus do Brasil e do mundo, como: Coleção de Arte Latino-Americana da Universidade de Essex - Inglaterra, Instituto de Arte Contemporânea de Londres, MAC Niterói - RJ, Museu de Arte Moderna de Nova Iorque (MoMA), MAM RJ, Museu Nacional de Belas Artes, MAM SP, etc.

Incentivo à Cultura - A CAIXA investiu mais de R$ 385 milhões em cultura nos últimos cinco anos. Em 2018, nas unidades da CAIXA Cultural em Brasília, Curitiba, Fortaleza, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo, está prevista a realização de 244 projetos de Artes Visuais, Cinema, Dança, Música, Teatro e Vivências.

A CAIXA Cultural Recife oferece, desde 2012, uma programação diversificada, com opções gratuitas ou a preços populares, estimulando a inclusão e a cidadania. O espaço, situado em um prédio histórico na Praça do Marco Zero, conta com duas galerias, teatro, sala multimídia, salas de oficinas e tem 40 projetos previstos na programação de 2018.

Serviço:
[Artes Visuais] Exposição “Farnese de Andrade – Arqueologia Existencial”

Local: CAIXA Cultural Recife –Avenida Alfredo Lisboa, 505 - Bairro do Recife, Recife - PE
Abertura e visita guiada com o curador: 13 de dezembro de 2018 (quinta-feira), às 19h
Visitação: de 14 de dezembro de 2018 a 17 de fevereiro de 2019
Horário: terça a sábado, das 10h às 20h | domingos, das 10h às 17h
Entrada Franca
Classificação indicativa: Livre para todos os públicos
Acesso para pessoas com deficiência
Informações: (81) 3425-1915
Patrocínio:
CAIXA e Governo Federal

*Via assessoria

 

0
0
0
s2sdefault
Top
We use cookies to improve our website. By continuing to use this website, you are giving consent to cookies being used. More details…